Davi, o escolhido pelo Senhor, Deus de Israel

Banner Background

Davi, um homem egoísta, assassino, incestuoso e adúltero, é escolhido pelo Deus israelita para ser rei e governar. Israel continuadamente está em guerra com os filisteus (os arqui-inimigos dos israelitas), os amalequitas, os sírios e outros vizinhos. As brigas internas pelo poder são constantes: uma mistura de história, estórias, de mitos e religião, registrada na Bíblia.

Davi era o oitavo filho de Jessé, o efrateu (de Belém de Judá – Rute 1, 2), nasceu em Belém em 1040 a.C. e foi o segundo rei sobre todo o Reino Unificado de Israel, embora sua ocupação inicial tenha sido a de cuidar das ovelhas de seu pai no território de Judá. Israel, inicialmente, era dividido entre as dez tribos do “Reino do Norte” e duas tribos remanescentes, o “Reino do Sul”.

Tudo indica que o pai de Davi teria sido um homem de vida simples. No entanto, o nome de sua mãe não é citado na Bíblia. Alguns historiadores sugerem que ela era Naás (2 Samuel 17, 25).

A Bíblia faz o registro da vida deste que foi um dos mais importantes reis de Israel e conta como um simples pastor chegou a uma posição de tamanha importância, por vontade de Deus.

 

Samuel, o rei Saul e Davi

Segundo a Bíblia, Samuel, o último dos juízes e o primeiro dos profetas de Israel, é filho de Elcana e de Ana. Após o seu nascimento, ele é levado pela sua mãe para o templo. Samuel ministra, ainda menino, perante o sacerdote Eli, que morreu aos 98 anos, após saber da derrota de Israel para os filisteus. Por terem tomado e levado a arca, os filisteus são castigados por Deus. Então, a arca é transportada para a cidade de Gate (provavelmente na Palestina) e depois para Ecrom (uma das cinco cidades filisteias, na divisa da fronteira entre a Filisteia e o Reino de Judá). Posteriormente, é levada para fora das terras dos filisteus, Bete-Semes, no distrito de Jerusalém, e para Quiriate-Jearim.

Os israelitas, por ordem de Deus, derrotam os filisteus por terem levado a arca.

Com o passar do tempo, Samuel, o profeta, envelhece e constitui seus filhos, Joel e Abias, juízes sobre Israel, em Berseba. Porém, eles acabam se inclinando à avareza, aceitando suborno e pervertendo o direito. Os anciãos israelitas, então, vão a Samuel e pedem um rei que os governe. Samuel rejeita o pedido e amaldiçoa o povo israelita.

Saul, um benjamita (da tribo de Benjamin), procura por Samuel para pedir-lhe ajuda, a fim de encontrar dois animais de seu pai e acaba sendo ungido, por ordem de Deus, como o rei de Israel, e, posteriormente, anunciado ao povo.

Saul, durante seu reinado, desobedece a Deus, indo à guerra contra os filisteus. É reprovado por Samuel, que diz que o seu reino não subsistirá. Em guerra, Jônatas, filho de Saul, é vitorioso sobre os filisteus.

Deus diz para Samuel que se arrepende de haver designado o reinado a Saul, por ele não ter destruído totalmente os amalequitas (descendentes de Amaleque) e os seus animais (Saul preserva os melhores animais). Por isso, Deus tira de Saul sua dádiva. Este pede aos seus súditos que lhe tragam um homem que saiba tocar um instrumento, para afastar-lhe a maldade. Eles sugerem um dos filhos de Jessé, o belemita (de Belém), Davi.

Em mais uma guerra com os inimigos filisteus, o gigante Golias clama que um israelita aceite pelejar com ele (Golias foi o homem que afrontou Israel). Davi se apresenta, e Saul lhe envia para lutar com Golias. Davi fere o filisteu na testa e o mata (Samuel 17, 49). Há uma contradição, uma vez que, no versículo seguinte, lê-se que Davi mata Golias após tomar-lhe a espada (Samuel 17, 51).

Saul teme a Davi, porque Deus o escolhera e os povos de Israel e Judá o amavam.

Davi se casa com Mical, uma das filhas de Saul. Este planeja matar Davi, porém seu filho, Jônatas, pede que Davi se esconda. Novamente Saul tenta matar Davi, e sua esposa, Mical, desta vez, o salva.

Davi faz uma aliança com Jônatas, esconde-se no campo e vai ter com o sacerdote em Ameleque. Em seguida, foge para Aquis e depois refugia-se em Adulão e Moabe.

Por diversas vezes, Davi consulta o Deus de Israel, enquanto sucessivas batalhas acontecem contra os filisteus.

Saul continua a perseguir Davi com o propósito de matá-lo.

Davi se casa com Abigail, que estava casada com Nabal e com Ainoã.

Saul se reconcilia com Davi, que foge para as terras dos filisteus e vai morar com Aquis, o rei da cidade de Gate.

Em outra batalha com os filisteus, Saul e seus três filhos morrem e Israel é derrotado.

O capitão do exército de Saul, Abner, faz de Ib-Bosete, o rei de Israel. Após dois anos de reinado, Davi derrota Ib-Bosete e é aclamado rei de Judá, em Hebrom (Judá).

Nascem os filhos de Davi: Amnom, de Ainoã (a jezreelita); Quilabe, de Abigail, viúva de Nabal; e Absalão, filho de Maaca, filha do rei de Asur (Assíria); Adonias, filho de Hagite; Sefatias, filho de Abital; e Itreão, de Egla, sua mulher.

Davi faz um acordo com Abner, capitão do exército de Saul, pedindo que lhe traga a filha de Saul, Mical, com quem havia se casado. Para isso, ela é tirada de seu outro marido.

Após a morte de Abner e de Is-Bosete, Davi é ungido rei de Israel e reina por 33 anos.

Ele toma outras concubinas e mulheres de Jerusalém, que lhe dão mais filhos e filhas.

Em mais uma guerra, Davi derrota os filisteus e consegue trazer a arca para Jerusalém.

Durante um cerco contra a capital amonita de Rabá, Davi permanece em Jerusalém. Ele espia  Bate-Seba, mulher de Urias, tomando banho em um telhado próximo e a convoca. Ela fica grávida e Davi chama seu marido de volta para descansar da batalha, esperando que ele vá para casa, para sua esposa, e acredite que a criança seja dele. Urias, no entanto, não “visita” sua esposa, por isso Davi conspira para, indiretamente, matá-lo. Davi escreve a Joabe dizendo: “Ponde Urias na frente, no mais forte da batalha, e retirai-vos dele para que seja ferido e morra”. Após a morte de Urias, Davi então se casa com a viúva, Bate-Seba. Natã repreende e profetiza a punição que cairá sobre ele, afirmando que “a espada nunca se afastará de sua casa.

O filho de Bate-Seba adoece e morre no sétimo dia de vida. Davi tem outro filho com a mulher, e lhe dá o nome de Salomão. Depois, foge com medo de Absalão, um de seus filhos, e de Aitofel, que se mata.

Davi vence o exército de Absalão, que morre na batalha, e retorna para Jerusalém.

Davi dá aos gibeonitas sete homens para serem enforcados, por Saul tê-los destruído.

Novamente os filisteus entram em guerra contra Davi, que exalta Deus com cânticos.

Deus, mais uma vez irado com os judeus, ordena a Davi que faça um censo. Após o recenso, Davi arrepende-se das coisas que fez e Deus lhe oferece três possibilidades: sete anos de fome, três dias de peste ou perseguição por parte dos inimigos. Davi escolhe a peste e muitos israelitas morrem.

Davi edifica um altar para glorificar e servir sacrifícios a Deus.

Assim terminam os livros de Samuel, o que estudiosos bíblicos consideram parte da história teológica dos israelitas, que tem por objetivo explicar a lei de Deus para Israel sob a orientação dos profetas.