Espiritualidade

Banner Background

Espiritualidade não é o mesmo que religiosidade. Espiritualidade, para mim, significa a experiência de algo muito maior do que aquilo que se pode apreender e conceber. Segundo Leonardo Boff (brasileiro, teólogo, filósofo e professor), “espiritualidade é o modo de ser pessoa como um todo e não apenas nos momentos de silêncio, de paz, de meditação, de contemplação do ser humano. (…) O espírito é aquele momento da consciência mediante o qual captamos o significado e o valor das coisas. Mais ainda, aquele estado de consciência pelo qual apreendemos o todo e a nós mesmos como parte e parcela do todo”.

A evolução é, portanto, a jornada do espírito em direção à maior consciência ou autoconhecimento.

Ken Wilber (psicanalista americano, fundador da psicologia transpessoal) afirma que 70% da população mundial encontra-se nos níveis mais baixos de desenvolvimento espiritual, isto é, no plano mítico, ou abaixo dele. Segundo ele, tais níveis permitem, por exemplo, ver a imagem de um Jesus mágico, capaz de andar sobre águas, ressuscitar os mortos, transformar água em vinho, multiplicar pães e peixes e assim por diante.

Espiritualidade é uma experiência de graça e acontece onde as pessoas suportam todas as probabilidades e no vazio. “A questão que eu sou para mim” (Karl Rahner, sacerdote católico alemão, 1904-1984) torna-se aberta à dimensão incompreensível de Deus. Ato de revelação. É a crença em Deus e não em doutrinas religiosas. É a fé necessariamente oposta à razão e ao pensamento racional, ou deles divorciada.

Até para começar a entender o problema da fé é preciso diferenciar entre fé racional e fé irracional. Por fé irracional entende-se a crença (em uma pessoa ou em uma ideia) baseada na submissão do indivíduo a uma autoridade irracional. Em contraste, a fé racional é uma convicção arraigada na própria experiência de pensamento ou sentimento. A desventura é que a fé não é algo para todos, como disse o apóstolo Paulo. Alguns acreditam que podem sobreviver sem fé, mas isso também não é uma espécie de crença? Alguns precisam de um estímulo de cima, seja ele uma doença, um acidente, uma perda, que então os leva a refletir.

A espiritualidade é científica, objetiva e universal. A religião é apegada às escrituras, subjetiva e paroquial. Espiritualidade engloba uma ampla gama de significados entre o bem-estar holístico e o misticismo. Um O homem espiritual mantém um diálogo permanente com o Universo e com Deus.

É comum hoje em dia as pessoas dizerem que são “espirituais, mas não religiosas”. A ideia geral é que religioso diz respeito a formas institucionais de religião – seus dogmas, mitos, crenças obrigatórias, seus antigos e desgastados rituais; enquanto espiritual significa valores pessoais, realidades internas, expressão do interesse último e experiência direta de um fundamento do Ser (Deus).

As pessoas estão procurando por algo que elimine o seu vazio, que as faça despertar de uma vida destruída e enfadonha e as preencha novamente com esperança e vigor. A humanidade está em busca de uma nova sabedoria que lhe dê um direcionamento verdadeiro e um objetivo, tanto para o indivíduo como para a sociedade.

O espírito finito e imperfeito do homem não pode ter produzido por si mesmo a ideia de um ser infinito e perfeito, ainda que, não obstante, ele encontre tal ideia em si mesmo.

O que o espírito humano aspira não o deixa em paz. Nessa tentativa, o conhecimento se transforma em fé: esforça-se para ser a fé da razão e não, a fé revelada, embora as vozes das grandes religiões também façam parte do testemunho ao qual se possa escutar. Ao se fazer isso sem a capacidade de prova, aqui recusada, parte-se, ainda uma vez mais, em direção a uma aproximação da resposta à questão de todas as questões, sem poder se apropriar do que quer que seja de validade obscura nas sempre fracassadas tentativas de uma teologia natural.

Então, como ocorre o desenvolvimento espiritual? Como e em qual extensão as complexidades individuais e a predisposição fazem com que um indivíduo reaja à influência de agentes exteriores? As vidas de todas as pessoas estão relacionadas com esse desenvolvimento? Quais são as diferentes dimensões do desenvolvimento espiritual, por exemplo, envolvendo modo de cognição, as emoções, o corpo, o sentido do eu, moralidade, relações sociais e interpessoais etc.? Como essas diferentes dimensões se relacionam umas com as outras? Até que ponto o despertar espiritual é um redespertar de potenciais psíquicos já existentes?

Platão e Aristóteles sustentaram, e antes deles Pitágoras, que o espírito, uma vez sendo capaz de contemplar ou pelo menos tocar o imutável, o eterno, o divino, já deve estar desde o início aparentado a ele de algum modo e tanto mais passa fazer parte do que é conhecido no ser quanto mais ele o conhece. Assim a parte mais elevada do espírito, a razão, eleva-se além de toda a natureza, que está imersa no vir a ser e no transitório; ela é eterna e divina.

A espiritualidade, o autodesenvolver-se, é um tema permanente na atualidade. É necessário tornar-se um ser humano maduro, coerente em si, que não está mais dividido entre as suas diferentes necessidades e possibilidades, que não se desfaz mais em diversos papéis.

E existem, ainda, as pessoas que associam espiritual a algum tipo de qualidade, como bondade, sabedoria etc. É muito triste!